Fique por dentro

Notícias de mercado, dicas, matérias e muitos outros assuntos relacionados a construção, decoração e reforma.

Arquivo de "2017/08"

limpeza carpete.jpg

5 dicas para a limpeza de pisos e carpetes


limpeza carpete.jpg

Por mais bonita que sua casa seja, se seu piso ou seus carpetes estão sujos, a aparência acaba sendo de descuido. Não é fácil manter essas superfícies impecavelmente limpas. Nelas ficam impregnadas as sujeiras que trazemos em nossos calçados, a própria poeira da casa e o inevitável desgaste do tempo. A boa notícia é que existem algumas dicas que podem, sim, facilitar sua vida na hora de remover essas impurezas — e algumas delas são até bem simples, você vai ver.

Quer descobrir como manter seu piso e seus carpetes sempre com a aparência de novos e deixar sua casa muito mais bonita e receptiva? Então trate de ler agora mesmo nosso post e facilite seu trabalho:

Dupla dinâmica: água e detergente neutro

Porcelanatos e outros pisos frios podem ser limpos apenas com água e detergente neutro. Esses produtos embebidos em um pano e somados a um rodo podem resolver todos os seus problemas.

Mas é importante lembrar que todo tipo de material sofre deterioração com o contato excessivo com a água. Portanto, limpe quando necessário, de maneira comedida. Não lave o chão como se fosse um quintal de cimento batido, esfregando com força e rispidez. Seu piso merece seu cuidado, por isso, seja delicado e paciente.

Existem no mercado muitos detergentes neutros específicos para pedras, cerâmicas e porcelanatos. Pesquise em casas especializadas, grandes redes de supermercados, home centers e até pela internet e ache o produto mais adequado para o seu tipo de revestimento. Leia as instruções de uso e deixe seu piso tinindo!

Limão com sal: na margarita e na ferrugem
A melhor maneira de remover manchas de ferrugem feitas por algum objeto metálico é passando um pouco de limão com sal sobre o piso. Coloque a mistura em cima da mancha e deixe fazer efeito por um tempo. Depois é só esfregar. Mas fique atento, essa dica não vale para o mármore, porque pode manchar.

Pisos lisinhos como novos: saponáceo neles
Quem nunca arrastou um móvel e acabou deixando seu rastro pelo chão? Pois bem, os riscos mais superficiais podem sair facilmente com a ajuda de um saponáceo cremoso genérico. Aplique o produto e esfregue um pouco: isso costuma bastar. Mas se os riscos arrancaram parte do esmalte, o diagnóstico pode ser mais grave. E aí não tem outro jeito: só fica lisinho de novo com a troca da peça.

Espuma caseira: renovando seus carpetes
Se você quer cuidar pessoalmente do seu chão, aprenda a fazer seu próprio removedor de manchas. Com o passar do tempo, os tapetes e carpetes costumam ficar manchados, principalmente se você conta com o auxílio luxuoso de animais de estimação, crianças e até de adultos menos cuidadosos.

Por sorte, existe uma solução que você mesmo pode fazer para diminuir ou mesmo resolver o problema. E aqui vai a receita: bata, com ajuda de uma batedeira, um litro de água fria com um quarto de detergente líquido, até criar espuma. Use uma escova macia para esfregar suavemente essa espuma nas fibras do carpete, fazendo movimentos circulares sobre as manchas. Depois é só limpar o produto com um pano úmido e secar com um secador de cabelo.

Vinagre: na salada e na casa toda
O vinagre é um neutralizante e desinfetante natural que pode limpar uma série de superfícies, incluindo os tapetes. Além de limpar, ajuda a eliminar odores desagradáveis. Mantenha um borrifador limpo cheio de vinagre não diluído, usando-o sempre na sujeira. Depois é só deixar secar naturalmente.

Uma casa bonita é essencial para nossa qualidade de vida, e, com o conhecimento certo, conquistar isso dará menos trabalho do que você pensa. Com essas dicas, seu piso e seus carpetes ficarão sempre limpos, refletindo o cuidado com que você cuida deles. Parece bom, não é mesmo?

Fonte: https://blumpa.com

segur.jpg

Segurança do trabalho: como prevenir acidentes em pequenos canteiros?


segur.jpg

Dados do Ministério Público do Trabalho (MPT) indicam que a construção civil é o setor que registra mais acidentes de trabalho no Brasil. Em pequenos canteiros de obras, eles são provocados por queda de altura, choque elétrico, exposição à sílica e soterramento.

Além da escassez de mão de obra especializada – com profissionais pouco preparados para exercer determinadas tarefas, comprometendo a qualidade do serviço –, a falta de orientações direcionadas à segurança do trabalho aumentam muito os riscos de acidente nas obras.

“É necessário que haja uma rotina de treinamentos e reciclagens sobre a atividade que o trabalhador desempenha. Dessa forma, a cultura da prevenção é incorporada aos poucos na realização das tarefas”, aconselha Selma Regina Palmeira Nassar de Miranda, diretora da Comissão de Engenharia de Segurança do Trabalho do Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Goiás (SindusCon-GO).

Recomendações

De acordo com o manual para pequenas obras do SindusCon-GO, os empregadores devem fornecer boas condições de segurança e higiene. Além de máquinas e ferramentas seguras e equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados para os trabalhadores desenvolverem suas atividades.

“O cuidado com a segurança e a saúde no trabalho deve ser assunto prioritário na gestão do empreendimento. Uma rotina de atenção aos pontos de risco, ou mais vulneráveis, é primordial para se ter uma obra segura”, acrescenta Miranda.

As instalações do canteiro devem incluir banheiros, vestiários, refeitórios e outros espaços básicos. Elas precisam ser informadas ao Ministério do Trabalho com projeto que atenda ao item 18.4 da NR18, assinado por um responsável técnico.

Para evitar a precariedade da mão de obra, o recrutamento deve se atentar às funções da obra. É necessário empregar pessoas qualificadas para atividades que envolvam eletricidade. Também é essencial contratar profissionais capacitados para operação de equipamentos de terraplenagem ou de guindar e soldagem.

Fonte: http://blogaecweb.com.br

vasos.jpg

O vaso ideal para cada tipo de flor


vasos.jpg

Nada como decorar os ambientes internos e externos com plantas, folhagens ou flores. Para isso você também deve levar em conta os vasos na qual serão plantadas suas mudinhas eles fazem uma grande diferença na estética e saúde da planta.

Encontrar o ideal não é uma missão impossível já que hoje em dia o mercado dispõe de uma quantidade enorme de modelos, materiais, tamanhos e acabamentos.

Mas como identificar o vaso correto para meu espaço?

A primeira coisa que você deve levar em consideração é o tamanho da sua planta, ou seja, o quanto ela crescerá. Algumas espécies necessitam de um determinado espaço para sua raiz, caule, folhas, etc.

Vasos para plantas de área externa:

Plantas expostas em ambientes externos são aquelas que sobrevivem à luz solar, ar, sujeira, chuva, vento e calor, por isso, aconselhamos que você use vasos de material de qualidade, como cerâmica, madeira de qualidade, cimento ou fibra de vidro - garante uma duração maior.

Evite plástico, metal e madeira sem qualidade - eles não suportam as mudanças climáticas e podem acabar danificando a planta.

Vasos para plantas de área interna:

Você pode escolher com base na decoração da sua casa. Ah, é importante verificar o tamanho do vaso para que concilie com o ambiente e sobre espaço para seus outros itens e móveis.

Observe quais são as necessidades da planta e assim escolher o tamanho e material correto. Sempre leve em consideração o ambiente correto da planta, isso faz toda a diferença.

É importante que o vaso tenha furos no fundo de acordo com o seu tamanho para proporcionar a drenagem de água.

Agora que você já sabe como escolher, cuide da sua planta e não se esqueça de sempre preparar a terra na hora do plantio com cuidado, o material orgânico pode ajudar bastante nessa hora.

Fonte: http://www.jardimdasideias.com.br/

dec.jpg

Menos é mais: saiba como deixar sua casa com uma decoração minimalista e sofisticada!


A decoração minimalista não precisa estar em alta. Ela é um clássico e sempre foi/será utilizada nos mais diversos cantos por aí. O que caracteriza essa estética é nada mais nada menos do que a simplicidade. Como aplicá-la na sua casa? É o que você vai ver abaixo. Confira!

Cores

A peça chave do minimalismo são as cores. Aqui, as escolhas devem ser cores neutras, como branco, bege, preto, cinza, e no máximo um azul marinho. Mas não misture as cores. Use no máximo duas, até porque o minimalismo se caracteriza por ser simples. O uso de até duas cores tornará mais fácil de combinar objetos e acessórios entre si.

Monocromia

O minimalismo permite que você trabalhe com apenas uma cor predominante. Se seu espaço for pequeno, uma boa escolha de cor é a branca, pois ela dá sensação de amplitude ao espaço.
Piso

Assim como nas paredes, a cor do piso minimalista deve ser neutra. Quanto à textura utilizada, cabe a você decidir qual cairá melhor no ambiente. Para manter o tom de neutralidade no ambiente, duas boas opções são o porcelanato ou pisos de efeito/textura amadeirada, que facilmente são combinados com itens de decoração e móveis em geral.

Mobília e Decoração

O minimalismo não se limita somente a estética. Podemos dizer que ele também existe como sendo uma filosofia baseada na simplicidade, facilitando o modo de vida. Isso pode ser transparecido nos móveis, desde sua estética até o modo como são distribuídos pelo cômodo. Ao montar seu ambiente minimalista, distribua cada móvel facilitando a circulação e a execução das tarefas diárias.

Design

A simplicidade do minimalismo transparece no design dos móveis deixando-os com linhas retas e traçados geométricos. Harmonize o cômodo criando uma harmonia no ambiente, que combine cada um dos móveis.

Legal, né? Minimalismo é a prova de que muitas vezes menos é mais! Agora é só dar esse toque na sua casa.

Fonte: https://blog.casashow.com.br/

fungos.jpg

Como identificar e prevenir fungos em árvores


fungos.jpg

Este artigo é especial para quem gosta de plantar árvores no jardim. Se identificou? O fungo é uma das doenças mais corriqueiras em árvores e identifica-los pode ser, na maioria das vezes, difícil. Para reconhecer um fungo, além de uma boa olhada analítica, é necessário verificar o ambiente ao redor da sua planta. O desenvolvimento dos fungos está altamente associado ao entorno de onde a árvore infectada está localizada, pois sem as condições ideias de crescimento, ele não seria capaz de se manter. Os fungos mais comuns em árvores incluem fungo mel, bife fungo e fungo tinder.

Fungo mel
Este fungo cresce na madeira da árvore e em pequenas colônias aglomeradas. A parte superior desde parasita é em forma de tampa marrom-amarelada, esporos brancos e possui aspecto úmido e pegajoso. Sua forma pode variar de convexa a cônica com uma depressão no centro.

Bife fungo
O fungo em questão é de coloração marrom-avermelhada e de superfície áspera. A parte inferior é branca e com poros. Tem este nome pois quando cortado, um suco vermelho escuro sai de seu interior e por conta da sua textura, se parece com carne.

Fungo Tinder
Este fungo é conhecido como “cavalo casco”. Desenvolver círculos coloridos e anéis. Estes fungos são firmes e resistentes, persistindo por muito tempo vivos.

Como prevenir: O maior combate é sempre a prevenção e a manutenção de uma árvore saudável, não é? Para evitar estes desagradáveis intrusos, use fertilizantes e compostos orgânicos, faça podas, utilize materiais como tesouras e outros aparatos de jardinagem higienizados e também prepare receitinhas como a calda sulfocálcica e espalhe no tronco e raiz da árvore. Esta calda é composta por cobre e cal e estes dois elementos devem estar em temperaturas baixas para serem misturadas e juntos possuem princípios ativos que ajudam no combate a fungos e pragas. Aposte na substância para cuidar de suas árvores!

Fonte: http://www.jardimdasideias.com.br

cubas.jpg

Cubas para banheiro: especificação vai além da beleza


cubas.jpg

A escolha de uma cuba para banheiro deve considerar as características de seu uso, mas sempre partir dos atributos técnicos que definem a superfície onde ela será instalada. Também influenciam, na especificação, o caráter do ambiente, a frequência de utilização, a ergonomia e, claro, o quanto se está disposto a pagar.

“No caso de banheiros de uso diário, deve-se optar por peças feitas de material resistente e de fácil manutenção”, explica a designer de interiores Edwiges Cavalieri.

Quando o ambiente é um lavabo, porém, a escolha pode ser mais ousada. “Neles, podemos escolher peças com mais estilo devido a seu pouco uso e, principalmente, à ausência do vapor e da umidade gerada pelo chuveiro”, acrescenta.

Os materiais mais comuns usados nas superfícies das cubas de banheiro são:

• Louça
• Porcelana
• Vidro
• Inox
• Cerâmica
• Madeira
• Mármore
• Corian
• Silestone
• Cobre

Manutenção

Além da limpeza periódica de suas superfícies, a manutenção das cubas requer cuidado especial nas áreas de vedação. “O ideal é realizar lavagens preventivas a cada seis meses e trocar as borrachas sempre que apresentarem sinais de desgaste”, conclui a designer. Para a higienização, deve-se evitar soluções à base de cloro e produtos que possam causar riscos e arranhões.

fonte: http://blogaecweb.com.br/

O jornal certo para
quem constrói o futuro.

11 4029.2034
11 4098.4849
ID 978*32590

Ou envie para contato@jornalconstrucao.com.br

Região: Cabreúva, Indaiatuba, Itu, Porto Feliz, Salto, Jundiaí, Itupeva.
Classificados gratuítos exceto: pessoas jurídicas, prestação de serviços e cia.